Wanderson Lemos, o cantor carioca lançou o seu primeiro single do novo CD

Wanderson  Lemos nasceu em Bonsucesso, bairro do Estado do Rio de Janeiro, mas passou a vida em Padre Miguel, zona oeste da cidade, homem negro, atualmente com 36 anos de vida e muita experiência para compartilhar.

Sempre fui interessado por arte, desenhava bastante bem quando criança. Minha mãe era costureira e meu pai percussionista. Minha mãe ouvia música o dia inteiro quando estava em casa, isso de certa forma deve ter influenciado mais do que o fato de meu pai ser percussionista, pois ainda lembro de algumas músicas que ela cantava bem alto.

Aos 13 anos já participei do Festival Estudantil no Teatro João Caetano, no Rio. Após me apresentar muito na noite, em  bares e eventos, comecei a investir na carreira solo, que marcada pelo primeiro disco Kurumíatã, comemora oficialmente 10 anos em 2017. Conta Wanderson.

Inicio da trajetória musical

Wanderson se interessou pela música nas aulas de flauta que, tinha na escola, mas,migrou para o violão. Autodidata na música, pegou um instrumento emprestado e formou uma banda na escola, com uns amigos. Além disto, tem a influência familiar, que é totalmente musical.Então, acredita que o dom nasceu por já estar “na veia”. Começou como compositor, cantor, instrumentalista  e, atualmente, é também, produtor musical.                                                

O cantor, compositor, multi-instrumentista e produtor musical Wanderson Lemos, foi pré-indicado ao Prêmio da Música Brasileira 2016 com seu álbum “O Couro Come” e fez uma participação na novela Rock Story .Comemorou comemora 10 anos de seu primeiro disco e lançou, no  dia 27 de julho, seu novo single.

O artista fez parte da programação oficial da Cidade Olímpica e tem ainda , quatro outros trabalhos autorais anteriores. Suas músicas, carregadas de originalidade, podem ser ouvidas no site e no canal de vídeos Wanderson Lemos Oficial. Wanderson Lemos já fez concertos na Europa em turnê anterior e tem agenda para este ano também no segundo semestre.

Wanderson Lemos nos apresenta um repertório especial que desenha as composições de seu  disco além de lembrar seus 10 anos de carreira comemorados este ano. Seus shows são feitos de forma irreverente, com composições simples e poéticas, que emanam reflexão, alegria e leveza. Dotado de influência da cultura brasileira, Wanderson Lemos se apresenta com muito swing, envolvência, acompanhando a sua banda e o seu violão sete cordas e um cavaquinho no mesmo corpo. Adaptado pelo Luthier Josemir exclusivamente para ele.

O álbum “O Couro Come” lançado em 2015 é um recorte da brasilidade popular, da alegria que vem do povo, do cotidiano. Atualmente, se tornou um projeto musical com oficinas e ensaios abertos na região Portuária do Rio. Em 2014, lançou seu próprio selo musical junto com o co-produtor e baixista Thiago Campos para se tornar ainda mais independente. A Crioula Fonográfica foi ‘inaugurada’ com o clipe do single ‘Que preta é essa’ – que conta com uma nova versão em “O Couro Come”.

Em 2013, teve seu nome incluído no Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Durante a turnê na Europa, em 2012, gravou o clipe da música ‘Não há’ em Portugal, e lançou também o clipe de sua música ‘Tereza crioula’ gravado no Brasil, na comunidade da Mineira e em Realengo, zona oeste do Rio. Além de seus três trabalhos anteriores: SambALacarte (EP/2010), Senzala (CD/2008) e Kurumí atã (CD/2007). Sua discografia (com download gratuito disponível) demonstra sua versatilidade, talento e timbre inconfundível.

Dificuldades e superação

Segundo Wanderson, vive em uma superação constante, apesar das imposições sociais. Afirma que sempre teve dificuldade de aceitar o sistema e que não se sente bem em fazer parte dele, no entanto, faz a sua parte, no intuito de modificá-lo, estando nele. A sua maior dificuldade é gerar receita equivalente ao trabalho realizado e ao conteúdo cultural que a música proporciona.

Vitórias

Considero que minha maior vitória é ter e manter pessoas trabalhando comigo e acreditando no que eu faço. Acho que todo artista precisa conquistar seu espaço e seu público, mas se não conseguir manter pessoas ao seu lado e acreditando no que faz, acaba havendo um desligamento do sucesso pessoal com o profissional, e pessoalmente acho isso um certo fracasso.  Relata, Wanderson.

Racismo e preconceito

O artista se renova a cada dia.Ao chegar em casa após ver ou passar por alguma situação preconceituosa, realiza atividades que o faça se sentir útil, tais como:trabalhar mais, estudar mais e buscar força mental para seguir a luta e afastar o ódio.

Todos temos uma missão importante na luta contra o preconceito, alguns pretendem apenas se salvar, mas aqueles que pensam na salvação de todos, precisam manter o ódio longe, pois ele favorece sempre o opressor.Desabafa o artista e deixa sua mensagem para a juventude:

A juventude precisa se qualificar acima de tudo e apesar de tudo. Sempre será a melhor forma de reagir. As dificuldades não podem ser desculpa e a cor da pele nunca pode se sobrepor ao talento. As desvantagens são claras ainda hoje. Vejo ainda a necessidade de evolução nos argumentos, mas o crescimento das redes sociais tem possibilitado o amadurecimento de algumas questões e tem ajudado bastante a colocar luz em talentos que antes dependeriam de um crivo historicamente racista das grandes corporações brasileiras.                                                          

Saiba mais:

Site :: wandersonlemos/brasil

Youtube :: Wanderson Lemos Oficial

Twitter :: @wandersonlemos

Facebook :: @WandersonLemosOficial

Instagram: @wandersonlemosoficial

 

Por Amanda Martins

Graduanda em Direito na Faculdade Presbiteriana Mackenzie Rio,Pesquisadora em Energia no Núcleo de Pesquisas Brasil-Chile, Editora, membro da Organização Carioquice Negra, escritora, cantora e compositora

 

 

Comentários

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password