#MeuPrimeiroAbusoPolicial

Uma Deficiência Social

Há alguns dias, surgiu nas redes sociais a campanha  #MeuPrimeiroAbusoPolicial. Essa campanha promovida pela Revista Raça tem como objetivo principal denunciar os abusos policiais, que na maioria dos casos ocorrem com os jovens negros.

Uma pesquisa do DATAFOLHA revela que: Entre os jovens negros, a taxa alcança 91% e entre os jovens brancos, ela cai para 80%. Para os jovens negros, a experiência se repete com muito mais frequência; cerca de 11 vezes contra 7 entre os brancos”

 Esses abusos são reais e embasados pelos estereótipos inerentes aos negros, que tornam-se suspeitos, automaticamente, por serem negros, simples assim. E se forem de favela, a situação piora ainda mais.

Um episódio de malhação que foi ao ar na última Terça (30 de maio), abordou esse assunto com bastante realidade, mostrando como há um tratamento diferente quando se é negro.

 As perguntas são constantes e muitas das vezes repetidas, como se não tivéssemos entendido na primeira vez. Insistem para que seja confessado o que as suas mentes pensam sobre o mesmo.

Veja a cena em: https://globoplay.globo.com/v/5905671/

Em resposta a esse episódio de malhação, a polícia militar de São Paulo divulgou uma nota de repúdio. Alegando que a cena “generalizou toda a instituição”, confira:

“Mais uma vez a Rede Globo de televisão desrespeitou a nossa valorosa Polícia Militar!

No episódio do dia 30/05/2017 do programa Malhação a emissora ofendeu o trabalho de toda a Corporação exibindo uma situação ofensiva de abordagem policial a dois jovens de etnias diferentes – um descendente afro e uma asiática – tratando-os de forma desrespeitosa e preconceituosa, abusando até de sua autoridade como policial.

A Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo (ACSPMESP), presidida pelo Cabo Wilson de Oliveira Morais, manifesta sua indignação com essa cena exibida pela emissora, ainda mais em um programa voltado para o público adolescente.

A cena agravou-se ainda mais pelos crimes de discriminação racial e abuso de autoridade partindo de um agente da segurança pública, especificamente da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Por que colocar a instituição que defende a sociedade contra a sociedade?

Ficou muito clara a tentativa absurda da Rede Globo rotular a PM como rival número um da sociedade. Foi uma ofensa desnecessária aos homens e mulheres policiais militares que sacrificam a própria vida em defesa dos cidadãos, todos os dias.

Como representante de cerca de 70 mil policiais militares, a Associação dos Cabos e Soldados recorrerá a medidas legais contra a emissora. ”

Fonte: http://www.cabosesoldados.com.br/nota-de-repudio-a-rede-globo-programa-malhacao/

Mas a realidade da sociedade é outra, de verdade. Não há generalização, há a exposição de uma deficiência. E separamos aqui alguns relatos da sociedade diante dessa campanha. Veja:

 

Completando, a pesquisa do DATAFOLHA demonstra o que jovens negros relatam, e constatam que as ofensas tanto físicas quanto verbais são maiores quando se trata da sua cor.

Os números e os relatos mostram que há um problema social gravíssimo, que deve ser discutido na busca de trazer a solução. Precisamos falar e expor as marcas que isso causa, e é falando do problema que nos levará às alternativas e possíveis soluções para essa problemática e não silenciando.

 

Fonte Datafolha: http://datafolha.folha.uol.com.br/opiniaopublica/1227480-86-dos-homens-negros-de-sao-paulo-ja-foram-parados-pela-policia.shtml

 

Ainda possui dúvidas? Click em #MeuPrimeiroAbusoPolicial  e veja todos os relatos.

Conte para nós aqui nos comentários suas experiências!

 

Por Julio de Sá

Editor da Organização Carioquice Negra, fotógrafo, Produtor e graduando em Marketing.

 

 

Comentários

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password