Dr. Fred William Nicácio representa a comunidade negra através da medicina

Dr. Fred William Nicácio

Fred William Nicácio é nascido e criado na cidade do Rio de Janeiro. Sua família reside no interior da mesma cidade, é composta por dois irmãos e seus pais. Segundo o médico, sua família é relativamente pequena, pois seus pais tem poucos irmãos, portanto, ele tem poucos parentes diretos.

Profissões e crescimento

Exerce duas profissões, é fisioterapeuta especialista em terapia intensiva, formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e  é médico generalista.  Almeja fazer cirurgia plástica ou ortopedia, ainda não decidiu.

Fred William deu a si o prazo de dois anos para decidir o que realmente quer e relata: “Entrei na fisioterapia muito novo, com apenas 17 anos, e me formei ainda aos 21. Aos 23 já era especialista e já dava aula em faculdade particular. Acredito que não escolhi muito entrar na fisioterapia, houve meio que uma pressão da família em entrar em alguma faculdade assim que eu terminasse o ensino médio. Queria fazer marketing e publicidade, mas não me foi permitido pelo meu pai. Já a medicina foi escolha pensada e premeditada, pois me apaixonei pela medicina enquanto trabalhava como fisioterapeuta. Estudei por um ano e meio, tentei nove vestibulares, até que passei.”

Fred William menciona que os desafios para os negros, sejam homens ou mulheres, são enormes. Ele acredita que as condições para a mulher negra, seja ainda mais difícil, por ser mulher e ter que lidar com o machismo e o racismo que agem em paralelo.

“Eu sempre fui muito estimulado pela minha família a estudar. Sempre tentaram de todas as formas dar a mim  aos meus irmãos, meios de desenvolver o intelecto. Nunca fomos ricos, meus pais são de origem muito pobre. Mas conseguiram com o pouco estudo que tem, estabelecerem um padrão de vida que nos desse suporte para ter e ser o que eles não puderam ter ou ser.”

O médico já foi modelo fotográfico durante a adolescência, incentivado pela mãe. O pai não gostava muito bem da ideia, mas acabou aceitando com o passar do tempo, e foi assim que Fred se projetou na mídia, furando um bloqueio e afirma: ” Porque é exatamente isso que nós negros temos q fazer exaustivamente durante toda a vida, furar bloqueios diários. Vencer olhares preconceituosos, palavras de desdém, atitudes de menosprezo… Sem dúvida alguma, o apoio da minha família e a base que eles me deram foi essencial para a superação dos meus desafios como negro, filho de negros e neto de negros.”

Desafios

Fred William acredita que o maior desafio da comunidade negra  é fazer o povo negro acreditar em si mesmo. Romper com os padrões impostos e fazer nascer um orgulho de quem somos, de onde viemos, amando nossos traços e nossa ancestralidade.

“Ninguém pode dizer ao negro que o lugar dele é nos subúrbios ou nos subempregos. Não desmerecendo de forma alguma quem não tem uma formação ou quem mora em subúrbio ou periferia, jamais. Mas o que não pode acontecer é essa lavagem cerebral que fazem em cima da nossa gente, massacrando-os e enclausurando-os a essa realidade. Como se fosse um destino certo, como se fossem fadados a viver assim porque é isso que o negro merece. É desafiador e ao mesmo tempo gratificante trazer o rompimento desse pensamento escravista.” Afirma o médico.

Fred recebe inúmeras mensagens através das rede sociais  e diz que a experiência é motivadora. As pessoas o tem como inspiração e representatividade em um espaço tão elitista e embranquecido como é o âmbito da medicina. As pessoas se orgulham mesmo sem conhecê-lo pessoalmente, sendo este um dos motivos que o faz buscar meios de enaltecer a comunidade negra através das suas profissões e existência.

“Faço questão de corrigir as pessoas quando se referem a mim por “adjetivos” como moreno bonito, mulato lindo, roxinho, entre outros que tentam amenizar a minha cor. Como se fosse errado ou feio falar que o Dr. Fred Nicácio é negro. Recebo muitos relatos de pacientes que atendo e que saem do consultório do SUS felizes pelo simples fato de terem sido atendidos por um médico negro. Isso salva meu dia, me alegra a alma, faz meus olhos brilharem e meu coração ficar cheio de satisfação por saber que aquele homem ou aquela mulher negra vai passar o dia satisfeito por ter visto um representante do nosso povo, no lugar que é visto como um lugar que deve ser dominado por pessoas brancas.”. Diz Dr.Fred.

Representatividade importa

Fred tem referências negras de vários segmentos, dos âmbitos nacional e internacional. São algumas delas: Michael Jackson, Stive Wonder, Areta Franklin, Etta James, Naomi Campbell, Beyoncé, Tyson Backford, Zezé Motta, Lázaro Ramos, Thais Araujo, Cris Viana, Alcione ( a diva brasileira) , Ruth de Souza ( rainha), Milton Nascimento, Emilio Santiago, Tim Maia, Zileide Silva, Gloria Maria… e diz que poderia continuar a mencionar diversos nomes de pessoas negras que o representam, que influenciam no modo de vida dele por serem dotadas e extrema importância para os espaços que os negros lutam para conquistar e na forma como fizeram. Sendo estes, protagonistas  e inspiração para gerações.

Fred William e o  futuro

“Meu planos hoje são de fazer uma boa residência, em ortopedia ou cirurgia plástica, casar, ter filhos, e continuar fazendo barulho para mostrar que vai ter gente preta por todo canto. Gostaria de futuramente fazer parte de projetos como médicos sem fronteira e ir a África prestar assistência médica gratuita. Também penso em participar de programas televisivos que dão assistência e informação as pessoas ( tipo bem-estar, a casa é sua, mais você etc…).”

Doutor Fred deixa uma mensagem final:

“Minha mensagem final a minha gente, meu povo, cor da minha cor é que que eu me orgulho em fazer parte disso tudo, é maravilhoso ter na minha pele toda a cultura que só a nossa gente sabe. É de arrepiar quando junta a negada toda pra dar risada que parece que tá tendo briga! Hahahah… Sou feliz por ter nascido negro com traços negros, ser filho e neto de negros e ter chegado onde cheguei. Enfrentando olhares e palavras racistas com nariz bem levantado e atitude de coragem e postura respeitosa. E se eu consegui, vocês também conseguem. Não abaixem suas cabeças, se não sias coroas caem. Vocês são príncipes e princesas, e vão herdar o mundo!”

 

Por Amanda Martins

Graduanda em Direito na Faculdade Presbiteriana Mackenzie Rio, Pesquisadora em Energia no Núcleo de Pesquisas Brasil-Chile, Editora, membro da Organização Carioquice Negra, membro da Liga Afro-brasileira e escritora.

Comentários

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password