Cíntia Félix, proprietária da AZ Marias conta sobre a importância do estudo em sua vida

 

Cíntia Félix é uma mulher preta que luta por dias melhores, pensa em seu povo e está sempre a buscar maneiras de evidenciá-lo.

Atualmente, é moradora de Oswaldo Cruz, na Zona Norte do Rio. Sua base familiar é formada pela sua mãe Roseli, sua irmã Lidiane, o seu sobrinho Michael e seu namorado Guilherme.

 

A trajetória de Cíntia Félix

 

Oriunda de escola pública e de favela. Nasceu no mo morro do Fogueteiro, no Rio Comprido. Estudou na escola Municipal Pereira Passos, sempre muito amparada pela sua mãe, que sempre dialogou com ela sobre o lugar o povo preto que é imposto a estar. Abordando sobre a base da pirâmide social e do quão importante é o estudo. E foi assim que Cíntia encontrou a sua fuga – no estudo, pensando em fazer faculdade, em ser uma excelente profissional da moda. O estudo é um dos responsáveis pela mulher que ela é hoje.

Afroempreendedorismo

A proprietária da marca AZ Marias trabalha fomentando o empoderamento, sendo inspiração para várias meninas e mulheres. Cíntia se vê como motivação para que as pessoas alimentem os seus sonhos e passem a agir em prol deles, de forma a buscar a representatividade e melhora da autoestima. É professora de arte numa escola privada em que a clientela é, majoritariamente, não negra. Contudo, ela tem imensa participação na construção do conhecimento de forma agregadora, promovendo a desconstrução do racismo neste âmbito.

 

Mestrado

Mestranda em Educação na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, declara: “Me especializar colabora para a percepção dos não negros de mulheres contando as próprias histórias, isso é muito importante que tenhamos mais mulheres negras escrevendo sobre elas mesmas e para seus pares.”

Cíntia Félix é sedenta por conhecimento e desenvolvimento. No momento, participa de três processos de incubação do seu negócio: Shell Iniciativa Jovem, Sebrae Moda Afro e a Universidade da Correria. Está com uma loja colaborativa no Carioca Shopping em Vicente de Carvalho, na Zona Norte do Rio de Janeiro.

 

Sobre o UBUNTU

“Nossa! Respeito o senso de Ubuntu, mas vejo uma comunidade extremamente desunida e sem senso do todo. Não respeitamos os corpos uns dos outros, mas principalmente nós mulheres negras não nos respeitamos. O racismo é tão estrutural que passamos o tempo todo competindo, sendo rivais e na maioria das vezes essa rivalidade é decorrente de uma figura masculina. Não respeitamos as escolhas das outras, e não praticamos o Ubuntu na vida. O racismo fez isso conosco.” Diz a afroempreendedora.

 

As inspirações de Cíntia Félix

“Roseli Maria, Rosa Maria e Veridiana são mulheres da minha família, me inspiram por serem mulheres fortes que estiveram e estão sempre fortes e me auxiliaram no meu desenvolvimento enquanto mulher negra.

Chimamanda, mulher negra, forte, escritora, culta e poderosíssima que conheci através do TED. Assim como, Karol Conka, Mc Carol, Luiza Brasil, Lázaro Ramos, Rihanna e Beyoncé.

Mãe Beata! Como não falar dessa senhora incrível, que auxiliou tantos de nós a nos encontrar e nos voltarmos aos nossos ancestrais. A Coco Chanel, uma mulher que fez tudo que havia para fazer, para conquistar seus objetivos.” Declara a estilista.

Cintia deixa sua mensagem à comunidade negra:

“Estudem sobre nosso povo, nossos descendentes. Ao entendermos o passado, vivemos bem no presente e projetamos um futuro de sucesso. “

 

Saiba mais sobre a AZ Marias em:
https://www.facebook.com/azmarias/

 

Por Amanda Martins

Graduanda em Direito na Faculdade Presbiteriana Mackenzie Rio, Pesquisadora em Energia no Núcleo de Pesquisas Brasil-Chile, Editora, membro da Organização Carioquice Negra, escritora, cantora e compositora

Comentários

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password